18/11/2013

Resenha | Lua Vermelha - Benjamim Percy

Lua Vermelha
Editora: Arqueiro
 
Eles vivem entre nós. São os seus vizinhos, a sua mãe, o seu namorado. Eles mudam do dia para a noite. Como toda adolescente, Claire Forrester se acha meio deslocada. Quando agentes do governo invadem sua casa e matam seus pais, ela percebe o quanto é diferente. Claire pode se transformar em uma criatura semelhante a um lobo. Ela é uma licana. Patrick Gamble entra em um avião e, horas depois, desembarca como o único sobrevivente de um ataque terrorista promovido pelos licanos. Da noite para o dia, ele vira um herói nacional: o Menino-Milagre. O governador Chase Williams jura que, se for eleito presidente, protegerá o país da ameaça que aterroriza a população. Em meio ao acirramento dos conflitos entre humanos e licanos, seu discurso intensifica a discriminação. No entanto, ele vai se tornar exatamente aquilo que prometeu destruir. Cada um a seu modo, os três estão envolvidos em uma guerra que tem sido controlada com leis, violência e drogas. Mas uma rebelião está prestes a estourar, provocando mortes e destruição e entrelaçando seus destinos para sempre. Com a chegada da noite da lua vermelha, o mundo se tornará irreconhecível. A batalha pela sobrevivência da humanidade irá começar.
 
Lua Vermelha é a história de Claire Forrester, uma jovem que vê seus pais mortos em nome da segurança nacional, que logo se tornou um dos caçado. É a história de Patrick Gamble, o único sobrevivente de um ato terrorista a bordo de um avião que se sente estranhamente similar a atos terroristas recentes, e nos mostra exatamente como violento os licanos (o que Percy chama seus lobisomens) pode ser. E é a história do Chase Williams, um presidente recém-eleito, que herda o pesadelo da revolta licanos, e promete reparar o danificado e fraturado Estados Unidos.

Em Lua Vermelha, a humanidade vive lado a lado com lobisomens (esta é uma forma científica de licantropia, produzido por príons). Os lobisomens da América de Lua Vermelha são monitoradas e regulamentadas através de uma droga supressora mudança. Os EUA estão no meio de ocupar uma nação soberana lobisomem, a fim de manter as operações de mineração de urânio. Não é um subconjunto de lobisomens que não gostam deste flagrante se opressão socialmente aceito e que desejam libertar-se do jugo da opressão humana , por qualquer meio necessário.

Há momentos na novela onde este trabalho exame é extremamente bem. O ato violento do terrorismo visto nos capítulos iniciais da novela e as ondulações que envia toda a vida de Patrick é bem feito e sempre envolvente. O tratamento de lobisomens na novela combina semelhanças com o Movimento dos Direitos Civis dos anos sessenta, o tratamento dos japoneses durante a segunda guerra mundial, e a percepção atual em relação aos muçulmanos nos Estados Unidos hoje. 

E não demorou muito para que a primeira cena de violência para aparecer na página também. As vezes parece que Percy descreveu o livro como se ele tivesse vivenciado a estória toda, mas ele não faz isso, e ele deve ser aplaudido por esse livro magnifico. Nas mãos de menores, o sangue seria a história, em vez de uma parte necessária da capacidade perigoso dos licanos levar com eles em todos os momentos. 

Percy encontra um equilíbrio que suporta a história, o caráter de seus protagonistas, e o tom escuro da estória, inerente a cada página.

Eu não sou uma grande fã de histórias de lobisomem, vampiros e essas coisas, mas Lua Vermelha é um ótimo livro, se um dia lançar o filme (ou já tenha lançado) com certeza irei assistir.

Lua Vermelha não é apenas sobre o lobisomem,  história familiar e arquétipo, não, Lua Vermelha  por Benjamin Percy é uma mistura brilhante de gênero horror e poética literária que revela a criatura em todos nós, e um debate sobre o que é ser humano e até aonde vai as nossas prioridades e necessidades
 
 

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © 2016 Meu Livro Preferido
| Distributed By Gooyaabi Templates